Mulheres marcam presença no golfe

Glossário de Golfe
Glossário do golfe: conheça 45 termos
12 de novembro de 2019
Exibir tudo
Mulheres no Golfe

O surgimento do golfe ainda é muito discutido, mas registros mostram que a data da primeira partida foi no século XV. Mas, de fato, quando surgiu a participação das mulheres no golfe? O esporte, que nos primeiros quatro séculos era exclusivo para homens, abriu novos espaços apenas no século XIX para o primeiro torneio de golfe para mulheres. Lá em 1944, outro passo foi dado: às mulheres começaram a jogar profissionalmente. O primeiro hole in one duplo – jogada em que o jogador acerta o buraco com apenas uma tacada – foi feito por uma mulher: a  jogadora Laura Cox, em 1977, na Austrália. 

Embora o espaço feminino tenha sido expandido no esporte, a presença das mulheres no golfe ainda é um desafio. O clube escocês Honorável Companhia de Golfistas de Edimburgo na capital da Escócia, por exemplo, permitiu a entrada de mulheres no clube somente após 273 anos de funcionamento. 

Infelizmente, muitos clubes e campeonatos permanecem com essa postura sustentando o rótulo do esporte ser masculino. Mundialmente, muitos circuitos e torneios femininos surgiram possibilitando a evolução no esporte, como o Ladies European Tour, o  Omega Dubai Ladies Classic e o British Women’s Open. A Confederação Brasileira de Golfe aponta que apenas 15% dos praticantes do esporte são mulheres. Apesar disso, as conquistas femininas só crescem. 

Um exemplo de destaque é a jogadora paulistana que já fez parte do ranking mundial e chegou a derrotar 30 homens em um campeonato: Victória Lovelady. A curitibana, que atualmente reside em Berlim, Miriam Nagl, faz parte desse time de brasileiras golfistas e já foi premiada como a melhor novata do ano em 2002, além de fazer parte do ranking mundial e representar o Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016. 

Outros nomes brasileiros também já fizeram parte do ranking global e participam ativamente do esporte, como as jogadoras paulistas Luciane Lee, Maria Priscila Iida e Luiza Altmann. Com uma vivência nacional e internacional elas mostram que é possível e seguem abrindo novos caminhos para transformar o esporte representando a força das mulheres no golfe.